quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Os Tecedores de Contumil (assim se faz um campeão)


Vários tem sido os tópicos publicados por esta blogoesfera fora versando a forma como o fc corrupção teceu durante anos a fio a sua teia de influencias que hoje é transversal a tudo o que diga respeito ao nosso futebol.

É inegável a existência de um elevado fluxo de tráfico de influencias com epicentro em Contumil, e a nossa comunicação social está pejada de exemplos e registos que provam a forma inqualificável como o polvo tem estendido os seus tentáculos, aproveitando-se das alturas de fraqueza de outros, para de uma forma ou de outra retirar dividendos desportivos e consolidar uma nefasta influência que até hoje mancha persistentemente o universo do nosso futebol.

É assim que funciona e funcionava a ndrangheta (máfia Calabresa não tão famosa quanto a Siciliana mas hoje em dia muito mais poderosa), e é assim que a agremiação regional corrupta das Antas tem paulatinamente corrompido agentes, dirigentes, funcionários e inclusive alguns jogadores, desviando-os do caminho correcto para muitas vezes os abandonar à sua sorte quando deixam de ter a sua utilidade. Melhor exemplo do que hoje afirmo teve eco nas palavras de um presidente de um clube insular que manteve um badalado diferendo com o corrupção fc por causa de um determinado jogador de futebol. A forma habitual como este diferendo foi finalmente resolvido pela nossa justiça desportiva, levou o presidente do clube lesado a proferir uma saraivada de afirmações e acusações à agremiação corrupta, entre os quais destaco a mais famosa: "O FC Porto usa as pessoas como se fossem guardanapos, usa e deita fora".

É claro que este e outros casos iguais tem sido efémeros, de duração limitada, e dada a pouca capacidade de armazenamento da memória das gentes dos nossos futebóis, facilmente são branqueados, eliminados das conversas dos dia a dia ou substituídos pela notícia da transferência de um Roberto ou de outro qualquer assunto que tenha a ver com a lufa lufa do nosso Glorioso.

Mas passemos à história propriamente dita. Este relato é feito na primeira pessoa, e passou-se em pleno reinado de Quique Flores no Benfica e durante a fase decrescente de um, na altura, ainda famoso clube de Lisboa.

"Domingo, Dia 1 de Fevereiro de 2009. Jornada 16 da Liga de 2008/2009.

O Benfica tinha ganho por 1-0 ao Rio Ave na 6.ª feira transacta com um golo de Pedro Mantorras (sim o Mantorras em 2009 ainda marcava golos pelo Benfica) era líder do campeonato e eu aprestava-me para passar um Domingo delicioso em casa com a família, pois o mau tempo que assolou o nosso país nesse fim-de-semana não convidava a mais nada que não fosse umas pantufinhas, um cházinho, a lareira acesa e talvez uma espreitadela aos jogos do dia através da internet (SPORCOS TV NÃO OBRIGADO!)

Estava pois descansadinho da minha vida e com o pijaminho vestido quando eis que toca o meu telemóvel. Um amigo meu de longa data, adepto ferrenho do velhinho e cansado Belenenses tinha bilhetes para assistir ao jogo dessa tarde: nada mais nada menos que o Belenenses - fc contumil. Não sei precisamente o que se passou nem o que aconteceu comigo, nem se por alguma razão a minha querida esposa me terá dopado o "cházinho", mas o facto é que dei por mim a vestir a gabardine e a entrar para o carro desse meu amigo com destino ao velhinho Estádio do Restelo para assistir ao único jogo que iria ver até hoje dos corruptos sem que do outro lado estivesse o nosso Glorioso. Iria ver digo bem... Mas adiante.

A viagem foi curta (não seria de esperar grandes engarrafamentos dado o tempo que se fazia sentir e a "qualidade" das equipas envolvidas no desafio). Entrados no estádio, deparei-me com um relvado em estado perfeitamente lastimável e um ambiente gelado nas bancadas, com o pouco público presente afecto ao clube da casa encolhido, molhado e acantonado na bancada central (esta só é coberta em alguns dias, pois em dias de vento e chuva esta espalha-se por todo o lado). Uma multidão de selvagens em tronco nu, com pinturas e indumentária a lembrar o "Braveheart", divertia-se do lado oposto a invectivar não o seu clube adversário dessa noite mas sim o seu inimigo figadal de sempre: O Grande, Enorme, Incomparável Sport Lisboa e Benfica. Senti de imediato vontade de lhes responder à letra e confesso que ainda me levantei para lhes enviar um mimo cá dos meus (às vezes esqueço-me da decência quando assisto a um jogo de futebol), mas depressa me contive pois uma saraivada de chuva mais acelerada aclarou-me os sentidos e fez-me regressar a ser novamente o pacato nunomaf.

Sentei-me então a maldizer-me a mim próprio por ter decidido deixar o conforto do meu lar, para assistir a um jogo entre azuis, ainda por cima com a agravante de, de um momento para o outro, qual coro de fariseus, as "louvas" aos ascendentes femininos directos dos adeptos do SLB se terem propagado ao lado da bancada ocupado pelos apoiantes da Cruz de Cristo (não, não estou a falar dos templários) e onde me encontrava sentado.

Não pude deixar de me sentir desconsolado e não evitei um olhar pesaroso lá para o alto de onde São Pedro teimava em descarregar os seus desgostos, o qual me valeu de imediato uma valente palmada nas costas, acompanhada de um sonoro: "anima-te pá! Lá vem o Pintinho!" gentilmente oferecidos pelo meu companheiro de aventura.

E era verdade. Lá vinha o meliante, rodeado de uma cambada de acólitos e bajuladores, com o seu ar de quem sofre permanente de dislexia do intestino, a caminhar tropegamente para o seu lugar no banco destinado aos corruptos (não, infelizmente não era o banco dos réus).

De repente, a aparelhagem do estádio interrompe a música do "Como uma força" que me feria o ouvido interno e surge a voz roufenha do "speaker" de serviço a anunciar a constituição das equipas. Pensei com curiosidade se a animação do "speaker" seria igual (ou pelo menos aproximadamente igual) à que, por exemplo, temos na nossa Catedral em dia de jogo do Benfica, em que o moço do microfone comete o prodígio de revirar o esófago e torcer a epiglote, esticando as cordas vocais daqui até à lua, berrando a plenos pulmões para animar a malta e puxar pelo SLB.

Qual não foi o meu espanto, quando após a leitura da constituição das equipas o dito "speaker" de serviço, pigarreia para aclarar a voz, e sai-se com esta "pérola": - Uma salva de palmas para Pinto da Costa, que muito nos ajudou no conturbado momento financeiro que atravessamos!

Foi demais para mim. Epá mas afinal o que era aquilo? Virei-me pró meu amigo e disse-lhe prontamente: Opá então mas tu estás a gozar comigo? Trazes-me ao Restelo quase obrigado, está um tempinho da merda, estou de tal forma encharcado que até as cuecas pingam, tenho de gramar com as ofensas do costume ditas pelos animais do costume e ainda por cima chego à conclusão que vocês além de estarem metidos na cama com o Bufento ainda se sentem orgulhosos por se prostituírem? É que nem penses que vou gramar esta "porquêra" durante mais tempo!

Agarrei na minha barriguinha, virei direito ao bar que estava mais próximo, bebi uma água e um café, subi as escadas e sentei-me no primeiro táxi que apanhei em direcção ao quentinho da minha casinha."

Epílogo

Acabei por ver o jogo em casa já um pouco sonolento e a pensar se teria coragem de o ver até ao fim. Entre alguns erros do árbitro e muito mau futebol, os porcos lá foram vencendo naturalmente os do Belém. O "Fuzil" levou um amarelo e assim já não jogava contra nós no clássico da jornada seguinte (do mal o menos, pensei eu). Aos 80 e qualquer coisa minutos de jogo, houve um lançamento de linha lateral a favor dos corruptos, o Fuzil quase que corre em direcção à linha lateral para fazer o lançamento e de repente sofre uma paralisia do torso superior que claramente o impedia de continuar a desempenhar as suas funções em campo. Foi assim mesmo, braços ao alto, bola acima da cabeça e um olhar esgazeado para o infinito. Foram de tal forma evidentes as dificuldades que o pobre coitado estava a passar que eu dei comigo a dizer para o ecrã: - Alguém acuda o homem que ele está mal! (isto de falar sozinho pró ecrã da TV ou do computador já não me passa. A minha mulher diz que é um vírus que eu tenho...). Como ninguém acudia ao pobre rapaz o "boi" de serviço acabou com a questão, puxa do amarelo e do vermelho e pumba! com os dois mesmo nas trombas do pobre Fuzil, o qual de um momento para o outro viu o Espírito Santo e ficou milagrosamente curado, indo juntar-se aos seus companheiros com um ar de felicidade próprio de quem tinha acabado de escapar das garras da própria morte. O resto teve pouca história, ou melhor, teve a história do costume. Os porkistas acabaram o jogo com o credo na boca e com mais uma ajudinha do "boi" de serviço acabaram por vencer por 2-3 mantendo-se assim na liderança do campeonato com um ponto a mais sobre o Benfica.

Em jeito de conclusão e para se perceber a razão deste prólogo na primeira pessoa, vou referir uns factos curiosos ocorridos nessa época de 2008/2009 por ordem cronológica de acontecimentos:

1 - No dia 17/12/2008 o fc corrupção defronta e vence na Amadora o Estrela local em jogo em atraso da 9.ª jornada. Com esta vitória os corruptos reduziam a distância que os separava do líder Benfica para 2 pontos. A realização do jogo nesta data não foi inocente nem casual como poderemos ver pelo ponto número 5 mais abaixo.

1 - Na 15.ª Jornada, jogada de 23/01/2009 a 26/01/2009 o Benfica tinha jogado com o Belenenses no Restelo, tendo empatado a zero bolas, enquanto o fc corrupção vencia na pedreira num jogo marcado por uma arbitragem que foi considerada pela unanimidade da comunicação social como "desastrada". Para vos situar e relembrar deixo aqui o link com o vídeo resumo do jogo com o bónus das declarações de JJ no final da partida.
Link

2 - Entre a 15.ª Jornada e a 16.ª Jornada o Belenenses desloca-se a Angola para uma digressão em tudo "oportuna" principalmente por acontecer após o jogo com o Benfica e nas vésperas do seu jogo contra o FC Porto.

3 - O Fucile vê o 5º amarelo no campeonato na 1ª parte do jogo com o Belenenses. Como os castigos do 5º amarelo não podem ser cumpridos na taça da liga, ele ficaria de fora frente ao Benfica na 17.ª Jornada.Na 2ª parte Fucile demora a fazer um lançamento de linha lateral e vê o 2º amarelo e respectivo vermelho. Por qualquer razão que ultrapassa a minha compreensão, o castigo do cartão vermelho é assim cumprido na taça da liga ficando assim o jogador disponível para defrontar o Benfica. De referir que um duplo amarelo no mesmo jogo não conta para acumulação dos 5 cartões, logo o Fucile continuaria tecnicamente com 4 cartões amarelos no campeonato. Fucile cumpre o seu jogo de suspensão no jogo com o "Belém do Lumiar" para a Taça da Liga, aproveitando um buraco na lei e mais um dos malabarismos habituais dos corruptos.

4 - Na 2.ª feira dia 2 de Fevereiro comprei como de costume o jornal 24H. No seu interior vinha esta peça deliciosa do jornalista André Cruz Martins que com alguma contida (por razões óbvias) ironia descreve os factos da partida.
(link:

5 - No dia 03/02/2009 o jornal Record na sua edição on-line noticia o seguinte: "O E. Amadora conseguiu inscrever o médio Tengarrinha no último dia de inscrições. Tudo graças a uma breve suspensão do impedimento de inscrição de jogadores. Entre domingo e segunda-feira o clube tricolor conseguiu pagar parte das verbas que devia a antigos jogadores, os quais haviam pedido o referido castigo. Face a este acordo de última hora, houve, à luz dos regulamentos, uma breve suspensão da decisão inicial da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), o que permitiu que a situação do jovem Tengarrinha ficasse, finalmente, regularizada. Agora, tudo volta quase ao mesmo, ou seja: a proibição está, de novo, em vigor até que todo o montante em dívida em causa seja pago. De notar que este é um desfecho algo inesperado, uma vez que Tengarrinha chegou há quase um mês, sem que pudesse ser utilizado. Entretanto, Record sabe que vários atletas do plantel pediram para sair, mas não tiveram consentimento da direção para seguirem a sua vida." - Esclarecedor em relação ao ponto 1, correcto?

6 - Ainda em relação a este jogo da época 2008/2009 entre o Belém da segundona e os corruptos de Contumil destaco este artigo de Luís Fialho originalmente publicado no blog Vedeta da Bola e que foi posteriormente publicado no jornal do Benfica na sua edição de 06/02/2009, e que explica bem a forma de funcionamento do clube mafioso.
(link:

7 - No dia 08/02/2009 o Benfica defronta o fc corrupção no antro da ladroagem em jogo arbitrado pelo famigerado Pedro Proença. Apesar da enorme campanha patrocinada pela pasquinada avençada, uma semana inteirinha de "mind games" não foi suficiente para que o próprio Pedro Proença ficasse seguro do seu propalado Benfiquismo e tivesse uma actuação isenta como seria no mínimo exigível. Dos factos ocorridos já muito se falou, mas para mim a melhor descrição do ocorrido foi feita pelo observador de árbitros destacado para este jogo que no seu relatório final à exibição de PP (estas 2 iniciais dariam pano para mangas), escreveu o seguinte: "Aos 25 minutos do 2.º tempo, marcou grande penalidade contra a equipa B [Benfica], por suposta falta do jogador n.º 26 [Yebda] (...) Do local onde nos encontramos e uma vez o lance ter ocorrido no vértice mais distante da grande área, não nos foi possível vislumbrar com clareza o desenlace da jogada: se a queda é provocada por algum contacto dos pés ao nível do terreno ou em virtude do defensor ter colocado o braço à frente do tronco do adversário, impedindo/perturbando a sua progressão. Porque o árbitro se encontrava bem colocado e perto, cerca de 3/4 metros, e foi peremptório a assinalar a grande penalidade, aliado ao facto de não terem existido protestos de jogadores da equipa penalizada, que aceitaram pacificamente a decisão, com excepção do faltoso, único a esboçar contrariedade, damos-lhe o benefício da dúvida." UAU! Este observador é um iluminado! Atentem na espectacularidade da justificação que encontrou para finalizar a sua argumentação em favor de PP! Enfim, estava feito o empate a favor dos corruptos da mesma forma de sempre. O jogo foi na sua quase totalidade marcado por uma série de equívocos tanto de Pedro Proença como do senhor Quique Flores, com expoente máximo na incompreensível substituição de Di Maria aos 62m, a qual serviu de catalisador para uma ténue reacção dos corruptos à situação de desvantagem no marcador desde o final da 1.ª parte (golo de Yebda antes do intervalo), culminando posteriormente no erro/ajuda grosseiro e impossível de Pedro Proença no lance da grande penalidade já referido.

Escrevo hoje em relação a estas três negras semanas da época de 2008/2009 em resposta a uma questão levantada por um utilizador que comentou neste blog um dos posts que anteriormente aqui amavelmente me deixaram colocar. Questionava-se esse companheiro a que distância teria eu acompanhado determinadas situações que ousei comentar da vida do Benfica e também qual a razão que justificasse o facto de o Benfica só ter ganho 2 campeonatos em 10 anos. Acompanho e sempre acompanharei de bem perto a vida do meu Benfica e o conteúdo desta "posta" é portanto uma das razões que encontro para o nosso passado insucesso.

Que não exista réstia de dúvidas na mente de todos. Este pequeno período de tempo na época de 2008/2009 significou o princípio do fim de Quique Flores no Benfica e a entrega em bandeja dourada de mais um título corrupto. Exemplifica de forma cabal como é aplicada a expedita estratégia que o polvo tem usado à décadas para espoliar o nosso futebol da tão necessária verdade desportiva.

A memória do Benfiquista é curta. Tão curta e tão reduzida que o impossibilita até de à pequena distância de um ano, ver no ínicio da passada época uma repetição dos métodos e estratégias que hoje tentei aqui explicar.

Se provas forem necessárias de como o FC Porko tem sistematicamente dominado as últimas décadas do nosso futebol, bastará perdermos um pequena parcela do nosso tempo a pesquisar na internet por assuntos como apito dourado, corrupção desportiva, roubo de igreja, jogo de bastidores, escutas, centros de estágio oferecidos, sistema, extorsão, etc... Tentem e vejam qual é o denominador comum nos resultados que obtém dessas pesquisas.

Uma teia bem urdida esta. A teia dos Tecedores de Contumil.

VIVA O BENFICA, PORRA!

Escrito por: nunomaf

PS1: Prometo voltar a esta questão das razões para os não-títulos do Benfica. Quero que fique bem claro que na minha cabeça não revoam ideias pré-concebidas nem um vazio de soluções. Acima de tudo pretendo apenas participar activamente na vida do meu clube. Se o meu modesto contributo ajudar a pelo menos despertar as consciências dos Benfiquistas para os problemas do nosso dia a dia, essa será a minha pequena vitória. A minha pequena recompensa. Isso basta-me-á porque me fará feliz e útil ao meu clube. Porque eu apenas amo o Benfica, mainada! (José Albuquerque dixit hehehehe)

PS2: O caso Calabote continua a ser usado como arma de arremesso pelos nossos adversários, para justificar o nosso domínio avassalador em passadas épocas. Quero com o auxílio de uma pequena pesquisa que foi efectuada por um dos diários da nossa praça, lançar um pouco de luz sobre este assunto com factos concretos e não demagogias baratas. Será objecto de um próximo texto caso assim o permita o nosso caro arrumador.

2 comentários:

  1. Um clube para ser campeão Europeu e Mundial não pode só comprar arbitros, precisa ser muito boa a jogar à bola também!!! Arranjem outra desculpa esfarrapada ok!!!
    Eu sei que é frustrante ir ao museu e nao ter a taça intercontinental, supertaça europeia e taça uefa para apreciar.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Todos os comentários Anónimos - ou outros - menos respeitosos para com este blogue benfiquista e/ou para com outros comentadores, serão eliminados, sem prévio aviso. Obrigado.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...