segunda-feira, 6 de julho de 2015

Se a memória não fosse tão curta...


....de certeza que não se esqueciam disto!

Despromovido à 2º Liga por causa da sua incompetência, um senhor árbitro, despeitado e rancoroso, lembrou-se de vir agora fazer insinuações graves sobre um telefonema que recebeu do seu superior. É pena que o dito senhor esqueça a péssima arbitragem que realizou em Braga, jogo que lhe concedeu uma uma nota muito má! ( para a posteridade, fica a foto elucidativa no topo)

Mas para as virgens ofendidas do futebol português, que já pedem a cabeça do Benfica numa bandeja, que exigem primeiras páginas de jornal a expor o escândalo - Alô Antero Henrique, Alô Paulo Pereira Cristovão - deixo aqui apenas algo para vos avivar essa memória tão curta:










domingo, 5 de julho de 2015

OS PRIMEIROS PASSOS DO BENFICA 2015/2016

Como tudo é possível, ousemos fazer rumo ao impossível – Agostinho Silva

               
O mercado de transferências continua aberto, a pré-temporada iniciou-se e o Benfica versão 2015/2016 dá os seus primeiros passos rumo ao seu objectivo primordial: a renovação do título de campeão nacional!

No entanto, muitas são as incertezas para a próxima época! Comandados por uma nova equipa técnica – boa sorte Rui Vitória, mas a ti só te peço empenho, trabalho e competência - , sem o profissional Maxi Pereira no plantel – Mesmo sem ti, um exemplo de superação e de trabalho,  muito obrigado pelos 8 anos de dedicação, devoção, garra e desejo de vencer com o manto sagrado Maxi! – e com a previsão de um plantel com 40 jogadores no imediato, o Benfica inicia a pré-época sob a pressão de vencer e convencer – Nada de novo, então!

Assim, na Luz, sucedem-se a bom ritmo os habituais exames clínicos; os novos equipamentos foram divulgados; os jogadores mostram ambição e boa disposição para a nova época e os treinos iniciaram-se este sábado sob a liderança do capitão Luisão, o general venerado a quem devemos bater continência e cumprir a sua ordem de vitória – por isso, ousemos rumar à vitória final, contra tudo e contra todos!


Num outro plano, e no que toca à guerra das audiências televisivas com a Sport Tv, também o campeão nacional reforça, e muito bem, os conteúdos da sua BenficaTV (BTV), com a aquisição da liga Francesa e da Liga Italiana, pelo que a época 2015/2016 promete. Estes são dois bons reforços que irão permitir a BTV ter mais diversidade e espectáculo garantido! É claro que as ligas anunciadas serão meros aperitivos para os jogos que realmente nos prendem à tv: os jogos do nosso glorioso!


Não posso ainda esquecer que esta semana também a nossa equipa B arrancou com os seus trabalhos tendo em vista a sua participação no campeonato da II Liga! Aos jogadores que compõem a referida equipa do Benfica apenas peço isto: em todos os jogos, lutar sempre pela vitória com todas as vossas forças, talento e empenho! Quanto ao restante, estou aqui para apreciar a evolução de alguns jogadores criados pela nossa Fábrica de talentos!

Também nesta época de 2015/2016 presenciamos à cerimónia de honras de Panteão Nacional concedidas ao nosso eterno EUSÉBIO.

Talento inato, campeão sem igual e uma força de natureza, eram os atributos do nosso KING! E graças a essas qualidades, Eusébio da Silva Ferreira recebeu honras de Panteão Nacional com todo o direito e propriedade! Muitas vozes ouviram-se contra esta transladação, sendo que as mesmas desprezaram o valor do desporto em geral e do futebol em particular! E assim se faz tábua rasa de ensinamentos preciosos que o desporto nos ensina e assim esquecemos uma lição importante: “O desporto tem o poder de superar velhas divisões e criar o laço de aspirações comuns” – Nélson Mandela.

Numa época em que Portugal vivia fechado em si próprio – Orgulhosamente sós era o lema do Estado Novo – o regime político era a Ditadura e a Pide o garante da mesma através do medo e da tortura, Eusébio foi alma e coração de um clube democrático, foi esperança e fé de um povo que desejava um país livre e equitativo e é o exemplo daqueles “que por obras valerosas se vão da lei da Morte libertando” e cujo legado imaterial é tão importante quanto o legado que as grandes mentes portuguesas e os heróis portugueses que moram no Panteão nos entregaram.

Por último, sabendo que até ao fim do fecho do mercado, marcado para 01 de Setembro, o plantel do Benfica para 2015/2016 pode sofrer diversas alterações, fico feliz pelo regresso do campeão! Já era tempo de ver os nossos ases a treinar e de debater a qualidade e a quantidade dos nossos atletas. Mas a todos que ficam no SLB, uma exigência: HONREM OS ASES QUE NO PASSADO HONRARAM O NOSSO MANTO SAGRADO!

E não se esqueçam que o Benfica tem um passado de glória, sim, mas esse passado já passou! Agora queremos é um presente e um futuro de vitórias e mais vitórias!

VIVA AO BENFICA! Benfica sempre, sempre Benfica!

sábado, 4 de julho de 2015

Estórias da Planice... (Episódio II)



Eta moços brabios... Atão cumé que se vai indo?

Já tavam com soidades aqui do Felício nã era? Antis demais ê tenho que vos apedir as desculpas. Tenho andado longi. A minha Bonita infelizmente finou-se e um homi qué homi sente-se sempre mali quando a sua vaca más linda parte desta pra melhori.

Tavam sendo dias duros de suportari. O desgosto e a estia que se vai fazendo sentiri aqui prós lado da planice iam dando cabo do mê juízo. Nã fosse o tintoli e os mês borreguinhos nã sê o que mavera de ter acontecido.

Mas enfim. Enterrê a vaca cu mê tratori (alem da fameli tambem tenho um lindo jone dere bem vermelhinho qué pra nã destoari das papoulas que tenho no meio da ceara), fiz o nojo e agora ando namoriscando a filha do prior qué moça que dizem que dá umas baldas... Nã tem um par dancas cúma minha Bonita tinha, mas o qué que s'ade fazeri nã éi? Um homi tem de teri um encosto para desencovari o pêto do cajado.

Devem se tari preguntado pela minha Maria nã ei? Já nã aguentava o raio da mulheri. Controlavami os ecus todos (epá os êros qué a mêma porquera). Além disso andava arrastando a asa prum galaró qualqueri vindo da capitale que tinha uma fala assim arrastada e uns tiques assim pró fenório demais, sé que me tan apercebendo...

Odespois um dia na tasca do Zéi Cagoita o Zé Caruncho que tava bubendo um tintoli cumigo disse-me atão: "Felício olha canda aí galo novo na tua capoêra home de Deus...! Olha co mê primo Rapótacho que está lá pras bandas da capitali contou-me qu'o gajo nã é bom de sassoari. Sinda ôtro foi buscari o Jazus ó Glorioso e ainda te faz o mêmo à Maria..."

Tal nã é a moenga hein? Atão o respêto?  Estes cornudos duma figa veinsse logo meteri cu Felício? Foi remédio santo. Acheguê casa, arrimê c'a cachaporra da Bonita na Maria, afinfelhe c'us trapos nuns saquinhos da boite da vila (bem grandis e bonitos por senal qu' até tein o nome do sítio alapado no saco e tudo, "Madalena", com lêtras do tamanho dum garrafão de cinco litros), puslhe a trampa à porta e ala! Vai lá agora resmalhar com esse tipo com nome d'árvre amaricada pra onde quiseris ó minha cabra (sim qu'isto não há arvres más machas qu'os mês lindos sobrebros e chaparros qê tenho junto à ribêra dos porcos).

De caminho arranquê as pelingrafias do Jazus qu'ê tinha dependuradas no mê quarto do amori (tã julgando o quê? Aqui o Felício também tem um cantinho pras meninas. Ah poizéi), pus tudo no balde dos porcos e acabê com dois máles duma veiz só. Uma Vitória cá pró Felício que agora é que vai ser liberdade para comer as gajas da aldêa toda...

Pru falari em aldêa... Atão nã éi qu'ê vi o Marco Silva a falari com o Fanico da junta à porta do mercado da Ti Anecas? Moço bem relacionado este Fanico. Vai longi. Ê sempre disse qu'isto da política dava pão pra muta boca... Olha ó caso do Tino das Arrãs nã éi? De calcetêro dos bons amandou-se prós píncaros com o Sócrates e amontou-se na vida como gente grandi.

Ê nã acho é justo o que tã fazendo cu Sócrates. Atã a gente aqui temes lá culpa dalguma coisa pra temos de levari com eli na prisa da nossa capitali da planice? O Manel Jerico que tem um primo tamein lá abitando diz qu'o primo deli já anda farto do homi. Tá sempre assambarcando a comida dos ôtros e dizendo qué pra cobriri o defici. Ê é que lhe dava o defici. A êli e ao coelho. Uma cachaporrada na cornadura e ficavames todos más felizes qu'o Zé Cagoita quando adescobriu que a cagadêra que ele pôs lá na tasca é pra um gajo s'assentari...

Mas a minha Bonita... Que falta me faz a minha Bonita... Tenho lá ôtra...Boa lêtera. Uma já más velha que tein um sinal pru cima da venta... Já lá a tenho vai prai uns ôto anos. Gastame a palha toda. Ê bem que lhe dô más palha pra veri s'ela me dá lêtinho do bom, mas ultimamente por más palha qu'ê lhe dê ela nã me dá mão... Ando ficando embestado cu isto. Um dia destes passo-me da moenga, dáme uma caliquêra das antigas e entorno-a à cachaporrada. Ê tenho é de veri s'a impinjo a alguein. Isto a palha tá cara e há mais vacas na manada. Qu'ando um homi se põe a pensari na vida dálhe cá uma destas vontadis d'a rrumari a casa toda... Uma geraldina...

Ui!!! Do qu'ê me fui alembrari... Atã nã eí qu'a minha Maria e a Geraldina da Madalena s'ajuntaram para fazeri uma côsa qualqueri com os guardas todos do posto da aldêa? Gandas desavergonhadas. Galdérias dum cabrão! Atão nã lhes bastava andarem de colo em colo ainda se tinham que pori em cima das atôridades? Já nã há respêto digo-vos eu. Nem morali. E inda tem a lata de chamar vaca à filha do xôr prior. Invejosas. Andam oferecendo a pevide a todo o mundo e adespois querem respêto dos homis a sério... Um destes dias nem o sacristão lhes pega.

Bom dêxeme lá veri que tenho ali os borregos a berarri que nem uns desgraçados. Andão prai uns lobos que me tein levado os borreguinhos todos. É uma espéce danada esta do lobo. Dizein qu'é lobo aziatico. Ê é que lhe dô a azia... Aqui c'u Felício tan tramados.

Aí querem borreguinho? Atã dexem mazé cá a pele que vô fazendo uns ecus (seja êros) com fartura... Un dia destes vô mandar as vacas velhas à vida e devotome só ós mês borreguinhos. Tan lindos... Pintelhes a lã de vermelho e tã más lindos có soli. Ficam lindos mêio da horta do mê cumpadri.

chhhh. Nã contem a niguem ouvindes? S'ele sabi qu'é êli cu's alimenta nunca mais me faz os negócios na estranja... Ê adespois acontovos esta tamein.

Dêchovos a minha idêa pra irem salivando nos entretantes: "Felício de Caridade Importe e Exporte"...

PS: A foto é dos mês tempos de felicidadi c'a Maria... Cando ê ainda pensava qu'ela s'interessava prus mês borreguinhos... Eta mulheri más cabra. A genti ainda s'ade cruzari nesta vida dexa tári... Agora os ôtros é que lhe trátom dos cabelos... E que lindos cabelos tinha a minha Maria... Podia nan teri lá grandes têtas mas tinha cá uns cabelos...

VIVA O BENFICA PORRA!!!!!

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Mais do mesmo. A corja continua o ataque...

Interrompo o meu silêncio para vos dar a conhecer mais uma não notícia, publicada não com o intuito de informar sobre mas sim de condicionar o sucesso da operação obrigacionista lançada pela SAD do nosso Benfica.

Aqui fica o texto integral e o link para a publicação online da Renascença:

A moda dos empréstimos obrigacionistas entre os clubes de futebol parece que veio para ficar. No início desta semana, foi o Benfica a lançar a subscrição de 55 milhões entre este ano e 2018. É a terceiro operação deste género dos três grandes em dois meses.

Estes investimentos rendem juros muito acima da média do mercado. Olhe-se para os três "grandes" do futebol português: o Sporting está a pagar 6,25% brutos, enquanto o FC Porto paga 5% e o Benfica 4,75%. Os valores líquidos são um pouco mais baixos. 

Aliciante? Sim, mas o risco é proporcional. A Renascença falou com Pedro Lino, especialista em mercados financeiros, que enquadra este tipo de investimentos e deixa um conjunto de conselhos. 

Lino chama a atenção para as dívidas das sociedades anónimas dos três maiores clubes portugueses: "Estão tecnicamente falidos e por isso mais sujeitos a reestruturações." 
O
Os três "grandes" têm lançado nos últimos dois meses um conjunto de empréstimos obrigacionistas. Em primeiro lugar, o que é um empréstimo obrigacionista? É quando uma empresa precisa de dinheiro e, ao invés de ir aos seus accionistas, vai procurar esse financiamento junto de investidores e emite obrigações. A empresa fica com a obrigação de voltar a pagar o dinheiro que o investidor emprestou, acrescido de um juro. Daí a diferença entre obrigacionista e accionista. Porque o accionista é dono da empresa e às vezes faz suprimentos. Um obrigacionista não tem direito ao património, tem direito ao rendimento e ao capital que lá colocou.

Este tipo de investimento que envolve dinheiro e futebol rege-se pelos mesmos padrões de racionalidade? Não. O investimento em clubes de futebol é muito mais emotivo e sentimental, tem mais a ver com a filiação no clube do que com um investimento racional, isto se olharmos para as contas. Para isso não é despiciendo que não haja casas de investimento que analisem os clubes de futebol e que dêem preços de referência. Se olharmos para os balanços dos clubes, eles tecnicamente estão falidos. Têm dívidas muito elevadas e dependem das jornadas de cada campeonato para que possam gerar receita. É um mercado muito específico que atrai os investidores pelas taxas de juro.

As taxas de juro que vemos nas emissões obrigacionistas dos três grandes são muito altas para a média do mercado. Como é que é possível fazer uma retribuição tão elevada?
Como este é um negócio de maior risco, está associado a uma maior taxa de juro. O que os investidores têm de perceber é que sempre que existe uma emissão de obrigações ou uma empresa que paga uma taxa de juro superior isso quer dizer que o nível de risco é maior.

É o que acontece nos clubes: se olharmos para o balanço do Benfica no ano passado, o capital próprio era negativo (significa que se o clube fosse encerrado ainda ficava a dever dinheiro). Este ano, felizmente, já tem capital próprio positivo de 5,8 milhões de euros. Mas este é um exemplo muito interessante, porque tem um passivo total de 408 milhões para um capital próprio de apenas cinco milhões e pretende emitir ate 55 milhões.

É um negócio diferente do de uma empresa onde se consegue perspectivar a evolução futura da actividade. Neste caso, é um negócio que só ano a ano se consegue prever qual a actividade do clube.

Referiu as dívidas elevadas que os clubes têm, nomeadamente o Benfica. Quais é que são os riscos destas operações para os investidores?
É que, em caso de dificuldades, o clube pode ver a sua dívida reestruturada, ou seja, [os investidores] podem ter colocado mil euros e de um momento para o outro o clube renegociar e pagar apenas 500 euros ao investidor. Existe um risco de reestruturação caso o clube não consiga vencer campeonatos ou gerar receitas suficientes. Este é um risco real, daí a taxa de juro elevada que tem de ser paga aos investidores.

Que conselhos daria aos investidores antes de investirem nestas obrigações? Primeiro, lerem o prospecto resumido que foi publicado na CMVM – se bem que o prospecto total tem 125 páginas [no caso do Benfica], o que é algo muito fastidioso para qualquer um ler. Mas só por aí também se percebe que existe um capítulo substancial ligado aos riscos. O conselho é que os investidores coloquem só o dinheiro que não precisam, mas que mesmo assim coloquem uma muito pequena parte do seu capital em operações deste nível. Apesar de a taxa de juro ser elevada, o risco também o pode ser.

Os clubes de futebol parecem estar cada vez mais viciados neste tipo de operação. A CMVM devia apertar as condições em que permite estas iniciativas? A CMVM já obriga o Benfica a ter um prospecto de 125 páginas e posso-lhe dizer que nenhum ou poucos investidores que vão subscrever o vão ler. Por isso, os riscos estão já todos detalhados. Há 15 páginas sobre eles, a questão é mais sobre a iliteracia financeira dos investidores. E as pessoas não olham para os riscos que lá estão. A CMVM exigiu que eles fossem publicados. A CMVM também não pode dizer se os investidores podem ou não subscrever. Os riscos estão lá, cada um tem de tomar as suas decisões.


Leram tudo? Então vamos desconstruir um pouco a teia de inferências maliciosas inculcadas neste texto.

Isto é um perfeito exemplo de como facilmente se consegue conotar negativamente este tipo de operações e ao mesmo tempo anexar o nome do Benfica para dar visibilidade a um texto oco, vazio de sentido, cheio de lugares comuns e que em nada informa quem vai investir neste tipo de obrigações.

Achei especialmente delicioso como no início do texto se fala em risco, se diz que esse risco é maior nos casos em que os juros pagos são superiores para depois dolosamente se esquecerem disso mesmo e apenas falarem como exemplo na operação obrigacionista lançada pela Benfica S.A.D.. Já para não falar no pormenor de a palavra Benfica e risco serem incluídas sempre nas mesmas frases e nas respostas deste senhor. Não sei se é Benfiquista, Sportinguista ou até do cascalheira futebol clube mas referir primeiro que "ler o prospecto é muito fastidioso" e dizer logo a seguir que o mesmo prospecto só tem 125 páginas porque a CMVM obrigou a que assim fosse deixando no ar a ideia de que se fosse por vontade do Benfica a informação referente ao risco da operação não era incluída no prospecto é um abuso do direito de opinião e quanto a mim carecia de ser tratada noutros locais por quem de direito na nossa SAD.

Mais delicioso se torna a afirmação que atribui à mera sorte ou acaso o facto de os capitais próprios da nossa SAD (presumo que seja a esta entidade que o autor se referia) serem hoje em dia positivos. E cito: "felizmente, já tem capital próprio positivo de 5,8 milhões de euros".

Como é óbvio, após ler este texto, eu que sou um mero aprendiz de gestor de empresas e que tenho muitos poucos conhecimentos acerca da realidade financeira do meu clube, acomodei-me, pus-me a fazer contas e decidi, depois de analisar as tais 15 páginas de riscos (eu só li o prospecto do Benfica) que em vez de 1000 euros vou investir 2500 euros. Isto porque não percebo nada disto, sou um catavento e mudo de opinião constantemente e gosto que me emprenhem pelos ouvidos (ou pelos olhos neste caso).

E é assim. Um Benfiquista quando verdadeiramente informado, encontra sempre forma de ser cada vez mais e melhor Benfiquista.

Parafraseando o saudoso Fernando Pessa: E esta hein?

VIVA O BENFICA PORRA!!!!!


quarta-feira, 1 de julho de 2015

VELHO CADUCO OU MENTIROSO?

( clique no imagem para ampliar )
.....................................
Está velho caduco?, A tentar fazer dos outros parvos? A direcção do seu clube já não lhe comunica os factos relacionados com o dito? Será simplesmente MENTIROSO?

A ser verdade que o jogador vai custar cerca de 25 milhões de euros, pergunto? Em que estádio vai jogar o Porto na próxima época? 
É que o Estádio do dragão irá, certamente, estar ocupado por maquinaria vinda sabe-se lá de onde a fim de extrair o petróleo que terá agora descoberto ao centro do relvado.

Não é que me preocupe minimamente, mas a verdade é que, um clube português gastar assim dinheiro num só jogador só mostra que a sua direcção está desesperada com a ascenção do Benfica. 
É que se volta a perder - e eu acredito que vai perder - o próximo campeonato, nem haverá petróleo nem duvidosas engenharias financeiras que lhes valham. Vão para a bancarrota, não duvidem disso.

Assim vai vivendo e falando um velho a quem, ao que parece, já nem a sua direcção - fazendo fé no que declarou aos jornalistas - lhe conta e/ou confia determinadas factos que se estão a passar no clube.
.........

terça-feira, 30 de junho de 2015

O Sorteio dos árbitros: ouçam as escutas do Apito Dourado!




O problema da arbitragem em Portugal não reside na forma como a escolha dos árbitros para os jogos acontece. Sorteio ou nomeação, é-me indiferente! 

O problema dos árbitros em Portugal reside na pressão, nas ameaças e destruição de bens dos árbitros, nas visitas à "Santa Casa de Pinto da Costa em Madalena" para alegados conselhos matrimoniais e que conduzem o ser humano que é o árbitro a errar vezes demais, infelizmente!

 Admito a minha costela benfiquista e como não quero ser acusado de cegueira clubística, partilho aqui o texto de Eugénio Queirós, personalidade muitas vezes mal amada na blogosfera benfiquista, mas cujo teor do texto é pertinente, merecedor de alguma reflexão e que vai de encontro a algumas ideias minhas:


"Na Europa do futebol dita civilizada, onde os direitos televisivos estão centralizados permitindo um maior equilíbrio competitivo, os árbitros não são sorteados.
Em Portugal, os clubes querem que os árbitros sejam de novo rifados.
Não é uma novidade.
Convido apenas os leitores de BnA a ouvirem de novo algumas das escutas do processo Apito Dourado para perceberem como os nossos dirigentes desportivos, todos sem exceção, gostam de nomear árbitros.
Os nossos dirigentes acreditam que os árbitros podem decidir campeonatos!
Por terem essa fé, sempre que as coisas não lhes correm de feição...mudam, para que tudo fique na mesma.
O que só acontece porque o Conselho de Arbitragem continua a meter os pés pelas mãos, escondendo a cabeça na areia sempre que há problemas.
O que aconteceu na última época foi mau de mais para ser verdade. Houve pressões subtis sobre os árbitros e estes ficaram completamente sem proteção (e se mais não digo é porque entendo que este é um assunto apenas da competência da Polícia Judiciária).
O extraordinário desta questão é também o facto de a direção da FPF continuar a acreditar na liderança de Vítor Pereira. Até lhe proporcionou um serviço especial de assessoria, na crença, típica destes tempos, que tudo se resolve com um bom serviço de relações públicas, esquecendo-se que foi algo que apenas deu resultado nos primeiros tempos do nazismo...
Só iremos ter sorteio porque o CA da FPF se pôs a jeito e também porque no ADN dos nossos presidentes de clubes continua a correr o desejo de fazer do árbitro um criado para todo o serviço que às vezes convidamos para tomar em nossa casa café, para aí resolver problemas conjugais e passionais do respetivo papá. Mas isto sou eu a falar que sou ingénuo e não acredito em teorias da constipação." - Eugénio Queirós, in Bola na área


segunda-feira, 29 de junho de 2015

TODOS SERÃO POSTOS À PROVA!




João Gabriel, director de comunicação do Benfica, é uma das figuras ou rostos mais visíveis da estrutura do nosso Benfica e fruto dessa visibilidade acaba por ser uma das personalidades mais discutidas nos círculos afectos ao Glorioso e até fora deles - quem não se recorda das picadas aziadas do Dragões Diário ao nosso Mr. Burns!

Acontece que, neste domingo que passou, ele publicou uma crónica no Jornal Record com o título " Todos serão postos à prova.", que aqui partilho e divulgo!

Mais, entendo que o aviso lançado pelo João Gabriel também se aplica ao mesmo: Também tu serás posto à prova. E a próxima época desportiva simboliza o fiel da balança entre o sucesso ou o insucesso!

Agora, sem mais delongas, segue a crónica de João Gabriel:

"A proliferação de articulistas e comentadores é reflexo do nosso tempo, ruidoso e impreciso. Vem isto a propósito do muito que foi dito e escrito precisamente há um ano. Do desastre previsto e das previsões falhadas. Vem igualmente a propósito do novo exercício que os mesmos hoje fazem sobre o futuro do Benfica e do seu treinador.

Há um ano, havia quem avançasse com os graves problemas que a queda do BES iria trazer ao Benfica. Questionaram a sustentabilidade do projeto e anteciparam incumprimentos em relação a obrigações assumidas pela SAD. Depois, foi a PT e a ameaça que pairava sobre os clubes em função da retirada da marca como main sponsor. Pelo meio disto tudo, não faltaram as repetidas referências ao "monstro" do passivo.

Curiosamente, neste tempo, o Benfica conseguiu reduzir passivo, reestruturar dívida, substituir a PT pela Emirates, consolidar a BTV como player no mercado televisivo e, ao mesmo tempo, fazer a época mais conseguida do ponto de vista desportivo da sua história. Mais, o Benfica superou os 200 milhões de faturação, uma marca nunca antes atingida em Portugal. E tudo isto assumindo juros de mercado (e não de favor) pelos seus encargos financeiros, o que neste caso não é um pormenor irrelevante.

Falharam as previsões, mas ninguém, dos que anunciaram o desastre, fez qualquer errata. Repito, sinal dos tempos, ruidosos e imprecisos, que vivemos.

Há um ano, o Benfica tinha feito o inédito triplete, mas dois meses depois sentia-se um ambiente depressivo no ar. A "desconstrução" do plantel alimentava o pessimismo que se tinha instalado entre os sócios e adeptos do clube. Este ano, com mais três títulos no futebol profissional, a história repete-se. Diz a sabedoria popular que não há duas sem três. Para o ano, voltaremos a ganhar e a entrar em depressão. Há coisas piores. 

Quanto à "desconstrução" do plantel, tão apregoada nos media, ela não é mais o que uma opção assumida, sem complexos nem equívocos, que tão bons resultados tem dado. Uma fórmula bem-sucedida nos últimos anos por parte de, pelo menos, dois clubes portugueses e que se traduz na descoberta de novos talentos, na sua valorização e na consequente renovação dos seus plantéis.

É uma realidade transversal a todos os clubes e, mais do que um problema, tem sido assumida como uma oportunidade. A história já nos provou que, quando lutamos contra o assédio de clubes europeus financeiramente mais apetrechados, perdemos sempre, quer do ponto de vista financeiro, quer do ponto de vista desportivo. 

Ultrapassado o BES, a PT, a "desconstrução", segue-se, este ano, a mudança de treinador e a aposta na formação. Dois problemas na perspetiva de muitos, duas oportunidades do ponto de vista do Benfica. 

Agosto ainda vem longe, mas os comentadores já alinharam o discurso apontando para a herança e para o enorme desafio de Rui Vitória. E é, efetivamente, mas, mais do que uma situação conjuntural, o desafio de Rui Vitória é uma inevitabilidade. Chegar ao Benfica é sempre um tremendo desafio, independentemente de como ou quando se chega.

Mas, se quisermos ser sérios e factuais, o desafio não é menor para nenhum dos outros treinadores dos chamados "grandes". Um deles teve ao seu dispor - e a afirmação não é minha, mas do seu presidente - o melhor plantel dos últimos 30 anos e nada ganhou. Há dois anos que o clube não conquista o título mais desejado, o que é um lastro difícil de gerir. Não há nada pior de combater que a desconfiança das bancadas, esse será o seu maior desafio nos próximos meses.

O outro treinador aparece envolto numa espécie de mito sebastianista, desafiando as limitações financeiras e o regime de austeridade em que o clube vivia há vários anos.

Também não é irrelevante o facto de suceder a um treinador que sai em rutura com a administração do clube, mas que é querido pelos seus jogadores. Não é, igualmente, saudável tentar importar de forma maciça know-how, porque isso é sinal de que o novo treinador não reconhece competência aos atuais quadros e, pior, não vê neles capacidade para o acompanharem no desenvolvimento interno do projeto. Afastar pessoas também não é a melhor forma de chegar a uma nova casa. O sebastianismo, como sabemos, não acabou bem! Perdeu-se a independência.

Todos vão ter desafios diferentes, mas todos vão ser postos à prova. Focar apenas em Rui Vitória essa responsabilidade não só é absurdo como totalmente falso.

Finalmente, a formação. Rui Vitória não chega ao Benfica com a obrigação de fazer entrar em campo cinco jovens do Seixal na equipa titular. Vem apenas com a missão de não os bloquear no seu processo de crescimento, de os conhecer, de lhes dar as oportunidades que merecem. Tão simples como isto"

João Gabriel, jornal Record, 28 de Junho de 2015.


sábado, 27 de junho de 2015

Bons exemplos do que é Ser Benfica....


Primeiro bom exemplo: Honrar os nossos compromissos, fazendo da solidariedade um valor essencial para um futuro de vitórias!

Segundo bom exemplo: a paixão, a dedicação e a devoção colocada na nova versão do hino do SLB. Simplesmente majestosa a orquestração e as interpretações fervilham de benfiquismo... por isso ouçam e apreciem:


EU ESTOU ARREPIADO!

VIVA AO BENFICA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...