quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O Benfica de hoje e o futuro...




(AVISO: Texto extraordinariamente longo!)



Não estava à espera de meter o bedelho em assuntos tão fracturantes, mas a época em que estamos é por natureza uma época de viragens e de tomada de decisões para o futuro.

No que respeita ao futebol, estamos num ponto de viragem, acabada que está a primeira volta com os dois crónicos rivais das últimas 3 décadas ainda imbatidos no campeonato nacional. Nada está ganho e tal como o ano passado temos muito para sofrer até ao final.

Na gestão do nosso clube estamos no limiar de uma época de gestão de um senhor chamado Luís Filipe Vieira, que por ser o líder do Maior de Portugal, vê a todo o momento a sua liderança avaliada não só pelos pasquineiros avençados que todos conhecemos, mas também pelos próprios Benfiquistas.

Chamo por isso a vossa atenção para o texto publicado pelo nosso companheiro Conde de Vimioso, Benfiquista (que ninguém duvide disso)de muitas guerras, no blog "Em Defesa do Glorioso", do qual vos deixo desde já o link.

Independentemente de concordar ou não com que está escrito no "Em Defesa do Glorioso" (o meu caro Conde de Vimioso sabe que eu não concordo consigo em alguns aspectos do que escreveu), confesso que o nosso futuro me preocupa. Seria mais do que tempo para que uma alternativa válida para liderar o nosso Benfica se tivesse encontrado, na continuidade ou não, e a falta dela preocupa-me.

Diz um amigo meu entendido na coisa, que estes momentos de crise, são os momentos em que se deve investir para depois colher dividendos. No nosso caso específico, será o momento de os Benfiquistas investirem no futuro do seu clube, para que este seja mais forte nos próximos anos.

Para que isto seja verdade não bastará, como todos se calhar concordamos, haver uma única solução. E não bastará, como é certo, haver alternativas como as que se apresentaram às últimas eleições,claramente marcadas pelo oportunismo e pela vontade de promoção pessoal, o que levou a que as atitudes graves (porque contra os princípios democráticos e o estatutariamente definido) em pleno processo eleitoral acabassem por serem sentidas como justificáveis pela grande maioria dos Benfiquistas.

Todos ficámos com a sensação que houve uma tentativa de assalto ao Benfica nas últimas eleições e as atitudes drásticas tomadas por LFV acabaram por ser uma espécie de "mal menor" que tivemos de engolir ou aceitar porque o que estava em causa, na minha opinião, era realmente um movimento falacioso para destruir ou pelo menos enfraquecer o nosso crescimento enquanto clube.

Considero também, tremendamente injusto não perceber a forma continuada, embora lenta, como o Benfica se ergue ano após ano pois torna-se óbvio que estamos mais fortes e mais consistentes hoje.

Não como equipa de futebol, andebol, basquetebol, futsal, etc, mas sim como grupo, como unidade, como entidade. Recuperámos algum do orgulho perdido e, sim, a nossa mística está de volta ao nosso estádio, onde os nossos símbolos são cada vez mais valorizados e onde apoiar o Benfica passou a ser incondicional.

Isto revela evolução de mentalidades, só possível também, pelo trabalho que tem sido feito pela equipa de LFV ao serviço do nosso clube.

Confesso que a questão financeira já me preocupa há algum tempo (desde o momento em que o grupo Benfica passou a apresentar contas consolidadas e se tornou mais visível e transparente o actual estado financeiro do universo Benfica), e alguns dos textos que o companheiro José Albuquerque colocou neste blogue, onde tenho ao honra de ir colocando a minha opinião de vez em quando, serviram, senão para me preocupar ainda mais, pelo menos para que eu fosse começando a perceber como são feitas algumas das manobras financeiras de gestão destas SAD desportivas.

Por isso, e no aspecto puramente financeiro, discordo de si meu caro Conde. O Benfica está hoje mais forte financeiramente, pois controla perfeitamente o seu passivo, sabe onde estão os pontos negros da sua gestão e onde terá de intervir ou agir com exactidão para evitar os descalabros financeiros do passado, quando a SAD ainda não existia ou se quiser a partir do momento em que a mesma foi criada.

A dívida à banca ou a terceiros, ou passivo se quiserem, sendo gerida de forma controlada, permite ao clube gozar de um crédito suplementar a que noutros tempos de maior dificuldade não nos foi possível aceder. No entanto, as dificuldades de tesouraria, ou os compromissos financeiros do clube com a banca, ou até o facto de haver, reconhecidamente, amizades próximas entre o nosso representante máximo e algumas das figuras que todos sabemos fazerem parte do sistema, tornam impossível de disfarçar o desconforto que alguns de nós sentimos, por o nosso clube, não ser capaz de assumir uma postura de ruptura com o sistema ou com os seus derivados.

A notoriedade do nosso clube e o facto de o mesmo ser o abono de família da grande maioria dos clubes que coabitam connosco na 1.ª Liga, implicam que de vez em quando será impossível deixar de ter relações (se bem que tipo "toca e foge") com clubes que reconhecidamente tem vivido à custa da teta da cartilha do clube assumidamente corrupto. Não há forma de contornar este aspecto sem efectuar as necessárias aproximações a clubes onde a espaços o sentimento Anti-Benfica assume contornos de histeria colectiva, amplamente propagados pelo megafone da comunicação social avençada.

Esta relação onde o empréstimo de jogadores é a principal moeda de troca, não deixa de ser simbiótica nosso caso, pois é do nosso interesse que as nossas jovens promessas rodem em clubes fortes e os tornem assim mais fortes, para que, nos encontros com os outros chamados grandes, possam servir na mesma o superior interesse do Benfica.

Repito, ao contrário de outros onde o parasitismo é o objectivo principal, para nós Benfica, esta é uma relação simbiótica, onde existe um proveito mútuo para ambas as partes, só que neste momento o Benfica debate-se com um outro problema relacionado com uma situação que tem vindo a tomar proporções alarmantes ao longo dos últimos 10 anos.

É que neste momento não basta ter jovens jogadores no plantel, de inegável qualidade e apetecíveis para as limitadas possibilidades do emblemas mais fracos do nosso campeonato, pois quase todos os plantéis destas equipas são liderados por ex-funcionários, ex-jogadores ou simpatizantes do clube Palermiano...

Emprestar internamente é por isso um risco que corremos hoje em dia, pois não são raros os casos em que os jogadores são emprestados pelo Benfica para depois nem sequer serem convocados pelos já chamados "treinadores do sistema".

O negócio das transmissões televisivas é para mim um outro paradigma que nos afecta seriamente todos os dias. Olhemos para os meios de comunicação visuais (ou TV's se quiserem) e digam-me onde está o canal televisivo que não tenha na sua base um sentimento provinciano de anti-Benfiquismo? O nosso dia a dia de transmissões televisivas está pejado de exemplos pelo que não preciso de enumerar nenhum.

Alguns dirão que a solução estará na Benfica TV, mas eu digo que não. Eu não me sinto satisfeito apenas com um canal que no seu espaço de opinião atinge níveis de alarvidade impressionantes e onde a falta de qualidade de algumas das opiniões emitidas me levam, infelizmente, a mudar de canal envergonhado por aquilo estar a ser dito na TV do meu Benfica. (esta vai-me custar umas boas zurzidelas da vossa parte de certeza :D)

A Benfica TV tem um potencial enorme de divulgação do Benfica a todo o mundo, mas para que seja a Benfica TV a tornar-se o nosso meio primordial de divulgação dos jogos da nossa equipa principal, os seus conteúdos terão de ser alterados, a sua forma de informar terá de ser alterada e, principalmente, a postura dos seus intervenientes terá também de mudar para que o canal seja um aposta ganha e uma ferramenta de intervenção directa no meio em que se movimenta o maior braço armado do sistema a famigerada SPORCOSTV.

Parece-me hoje que a cenoura que Pais do Amaral lançou ao Glorioso, foi apenas um subterfúgio que nos fez perder tempo e margem de manobra. Foi algo que tresanda a premeditação e que agora nos deixa numa encruzilhada como Domingos Soares de Oliveira desassombradamente afirmou. Ou tornamos a Benfica TV num outro tipo de canal, abdicando em parte do seu carácter de intervenção em defesa do Benfica, ou assumimos um prolongar de uma relação podre e indesejada pela maioria dos Benfiquistas com um canal que destila ódio anti-Benfiquista.

Por um lado a decisão odiada por todos, por outro lado a decisão que nunca nos trará o retorno financeiro de que necessitamos para sustentar o monstro financeiro em que se tornou o Universo Benfica.

Confesso que não queria estar na pele da pessoa que terá de assumir estas decisões, ou pelo menos assumo que me seria tremendamente difícil justificar qualquer uma delas.

Mais do que nunca o futuro do Benfica joga-se hoje. Neste momento. Seremos nós Benfiquistas capazes de avaliar tudo o que se fez nos últimos 30 anos e tudo o que ainda falta fazer para engrandecer ainda mais o nosso clube? Teremos a clarividência e a paz de espírito para decidir e opinar apenas com base no que queremos para o futuro do Benfica e esquecer o amargo passado recente?

São perguntas as quais eu próprio não consigo responder com 100% de certezas. Mas estou seguro de uma coisa. O supremo interesse do Benfica tem de ser respeitado e assegurado sempre. Algumas das decisões tomadas nos últimos 10 anos tem deixado sempre a porta aberta para que as mesmas se voltem contra nós no futuro. De uma forma ou de outra todos acabamos por colher o fruto do que plantámos, e a nossa atitude perante o Benfica não será diferente.

Receberemos o respeito ou a compreensão que conseguirmos transmitir em tudo o que escrevemos ou dizemos acerca do Benfica.

E é isso que no final LFV irá receber. Tal como outros que já estão no passado e não foram capazes de construir ou transmitir uma mensagem que fosse assimilada pela maioria dos Benfiquistas. A história ou se quiserem as próximas eleições no nosso clube serão o barómetro que nos permitirão julgar se este homem merece mais uma mandato à frente dos nossos destinos, ou se é desta que vai finalmente surgir uma alternativa credível, sustentada, dirigida apenas e só para o Benfica, que leve os Benfiquistas a equacionar um futuro diferente para o Maior de Portugal.

Uma alternativa para o Benfica e só para o Benfica tem pernas para andar na minha opinião. Uma alternativa contra LFV terá o mesmo destino de todas as outras que entretanto apareceram e pereceram: umas miseráveis centenas de votos num universo de dezenas de milhares.

É só isto que me apraz dizer. Desculpem a maçada.

2 comentários:

  1. Os benfiquistas ainda não entenderam que o Jorge jesus está ao serviço de pinto da costa. As imagens que apareceram na televisão com os dois lado a lado dizem tudo. LFV abra os olhos porque está a ser enganado por mafiosos.

    ResponderEliminar
  2. Senhor Luís Filipe Vieira abra os olhos. Só não vê quem não quer. O JJ está a soldo do Pinto da Costa, não viu na televisão a cumplicidade entre os dois? esteja atento porque o mafioso não dorme.

    ResponderEliminar

Todos os comentários Anónimos - ou outros - menos respeitosos para com este blogue benfiquista e/ou para com outros comentadores, serão eliminados, sem prévio aviso. Obrigado.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...