sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O Benfica, Um ORGULHO

Dizem os sábios que a história faz a tradição. O Benfica jogava, como jogou, em 24-02-2011, na Alemanha, contra o Estugarda, para a Liga Europa, tendo como handicap a tradição.
Dezoito (18) jogos já havia feito em terras alemãs tendo apenas conseguido empatar por seis (6) vezes, perdendo as restantes.
Os mais cépticos temiam essa tradição. Outros, e acreditem que é como vos digo, ambicionavam no seu intimo, embora com um sorriso falso o não dissessem, que o Benfica mais uma vez acabasse por "entrar" na sina dos restantes doze, ou seja perder.
Não me convencem a mim com aquelas conversas de "bom desportista", que até queriam que o Benfica passasse a eliminatória. Bacalhau como-o de qualquer maneira. O que me apresentam em palavras só as "como" quando quero. Isto a todos os níveis.
Dou-vos uma demonstração do que vos digo: Ontem ainda o resultado estava em 0-0 e num lance pela direita do ataque adversário, o relator do SIC gritava, digo bem, gritava ... Golo do Estugarda.
Logo após lá teve que dizer que o Roberto havia feito uma enorme defesa, mau grado a sua - do relator - desejo.
Poderia até ser enganado pelo ângulo visual. Mas NUNCA gritar, com o ênfase que o fez, golo do Estugarda.
A não ser que tenha sangue alemão e aí até o entendo. Mas parece-me mais outra coisa que a minha sensibilidade se nega a escrever.
Quanto ao jogo propriamente dito, "arrancou" o Benfica uma exibição de luxo. Todos os jogadores a fazer lembrar as ondas do mar. Iam e vinham, vinham e iam, numa "ondulação" perfeita, qual silvo de arte da sábia natureza.
O futebol do Benfica fazia-nos lembrar o cântico da sereias. Harmonioso, qual slogan em movimento, numa "audição" visual, que nos transportava qual "barco" viajante, para "braçadas" em fina água, numa luta feliz e saudável, com aquilo que mais gostamos: Ver o Benfica jogar e dar espectáculo, sob a batuta dos seus "golfinhos", devidamente comandados pelo "lobo do Mar", Jorge Jesus.
Numa conjugação juventude/mais velhos, vimos o Benfica ganhar por 2-0, com golos de Salvio e Oscar Cardozo. Duas peças de porcelana que merecem figurar em qualquer escaparate.
Sei que lá virão agora os "espertos" dizer que o Estugarda anda mal no campeonato, e outras coisas do género. Não jogasse o Benfica como jogou e hoje estaríamos a ver o mar em ondas de só ir.
Quando "perdemos" esse grande jogador Di Maria, muitos de nós, onde me incluo, tememos que dificilmente colmataríamos a sua falta. Erro de palmatória. Di Maria esteve três anos no Benfica e só na época passada "explodiu" para a glória. Partiu e...entrou um miúdo nascido aos 23-02-1988 (23 anos) de nacionalidade argentina, tal como esse: Nicolás Gaitán

Que jogador!!!. Qual "capitão de Mar e Guerra", Nicolás Gaitán, conduz os "seus marinheiros" de uma forma soberba, chegando mesmo a "cansar" as "águas", feitos campos em relva, onde "navega".
Numa palavra podemos dizer apenas isto: SOBERBO



Outros dos nossos meninos, da mesma nacionalidade, nascido aos 15-07-1988 (22 anos) de seu nome Franco Jara, está na linha daqueles que se augura um grande futuro de águia ao peito, qual símbolo maior, que se agrupa já como grande timoneiro, sendo que, no futuro muito próximo, será promovido a "oficial" tal é a sua competência e entrega à luta.
Possuidor de um pulmão inesgotável, com a sua alegria em jogar futebol, transporta os seus companheiros para índices maiores no grau da competitividade que nos orgulha e encanta.

Por tudo isto e por muito mais que me faltou dizer, eu sinto:

UM ORGULHO ENORME DENTRO DO CORAÇÃO POR TER NASCIDO BENFIQUISTA

VIVA O BENFICA

Sem comentários:

Enviar um comentário

Todos os comentários Anónimos - ou outros - menos respeitosos para com este blogue benfiquista e/ou para com outros comentadores, serão eliminados, sem prévio aviso. Obrigado.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...